Una sonrisa en un rincón de mi salvapantallas

Escrever, ao longo dos últimos anos, tem sido uma missão para mim. Quase sempre um processo catártico e confuso.

Afinal, ao contarmos histórias, as contamos para os outros ou para nós mesmos?

A gente nunca sabe quando, mas alguns encontros fazem com que nós nos tornemos verdadeiramente cada vez mais nós mesmos.

Daí cá estava eu procurando a música mais folk de todos os folks no Spotify para colocar na trilha sonora de fundo para as fotos do casamento da Soraia e do Roberto e na minha playlist brotou uma gracinha deliciosa do Jorge Drexler, que eu namoro faz tempo. Poderia ser a trilha sonora dos abraços mais gostosos que eu já dei.

O acaso tem dessas coisas.

Para ele, só o tempo é necessário.

***

A Soraia e o Roberto fazem parte da história do meu primeiro buquê, aquele que me trouxe até aqui.

E esse filme começa há uns três ou quatro anos atrás quando uma das minhas melhores amigas casou e eu achei – sabe-se lá o porquê – que fazer um buquê de noiva com essas mãozinhas que  deus me deu seria o presente de casamento mais significativo que eu poderia dar a ela enquanto madrinha.

Hoje, analisando racionalmente a situação, tudo me parece bem absurdo. Lindo, porém absurdo.

Pois, então. Os fotógrafos do casamento dessa minha amiga eram a Sô e o Beto.

Quando cruzei esbaforida com esses dois pela primeira vez naquele hotel em Santa Teresa eles não só carinhosamente elogiaram o buquê que eu carregava nas minhas mãos (e mal sabiam que eu estava há dias possuída pela incerteza da minha amiga gostar ou não daquela viagem) como disseram também que eu deveria fazer isso profissionalmente.

E tudo aconteceu depois disso.

Em uma dessas trocas de mensagens sobre tudo e ao mesmo tempo sobre nada a Soraia veio com um papo sem pé nem cabeça de que gostaria de me indicar para umas noivas aí. E eu na hora achei graça, meio sem entender. Mas foi o suficiente para que eu ficasse matutando aquela ideia.

E depois de doze anos de namoro no portão, três do nosso primeiro encontro em Santa Teresa e alguns trabalhos lindamente registrados, o vinte e três de julho deles finalmente chegou com direito a cerração, cheiro de mato e uma energia incrível.

O acaso me trouxe até aqui.

Um salve para todos os sorrisos dignos de serem registrados sob olhares tão cuidadosos e sensíveis quanto os da Soraia e do Roberto.

As fotos de perdermos o ar e recuperá-lo novamente são da dupla Alex Arruda e Jr Poubel. O cerimonial e a equipe responsável por coordenar para que tudo saísse lindo no dia são da Nici Guedes, da Oficina das Noivas.

A filmagem ficou por conta da Camila e do Higor da Pitanga Audiovisual.

Depois de ver o vídeo fica difícil comentar qualquer coisa, então é obrigatório ver essa jóia purinha ao final do post.

O vestido e a grinalda maravilhosos são obra da Jaline Pimentel e Priscilla Cabral, respectivamente. A maquiagem e o cabelo da Soraia, igualmente belíssimos, ficaram por conta da Mariana Borges.

A decoração é de autoria da Roberta Araújo, que estava em sintonia total com os noivos, mais a cara deles impossível. Vendo as fotos eu jurava juradinho que ia aparecer o Beirut tocando no meio dessa tenda circo-boho-hipster-burlesque-weeding. Aliás, falando em banda, se não me engano as fotos mais loucas do casamento foram ao som da Banda An Passant.

Queridaços(aços), os doces daquela caixinha de deixar qualquer diabético louco sumiram em questão de segundos, mas aquela cartinha com coisas lindas escritas… essa está até hoje na porta da minha geladeira e tatuada no meu coração. Obrigada por tudo e mais um pouco, tá? Então tá.

Cansaram de mim?

Então chega mais e bora contemplar essa belezura. Ou melhor, essas duas belezuras.

Fotografia Arruda e Poubel Fotografia / Filmagem Pitanga Audiovisual / Beleza Estúdio Mariana Borges / Vestido Jaline Pimentel / Grinalda Priscilla Cabral Design / Decoração Roberta Araújo Eventos / Cerimonial Nici Guedes / Local (Recepção) Teresópolis Golf Club / Juíza de Paz Lilah Wildhagen / Bolo Vânia Beatriz / Doces Alfredoce / Buquê da noiva, lapela do noivo e padrinhos, solitárias das madrinhas, guirlanda de flores para a Amora, fiel escudeira do casal, e guirlanda da daminha, feitos por mim.

Sobre Winnee Louise

florista, assistente social e cantora de karaokê nas horas vagas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *